Cliquei em um link malicioso de Phishing, e agora?

Fui vitima de um ataque de phishing!

Muito se fala sobre Phishing e existe na Internet uma infinidade de materiais e artigos relacionados a conscientização e prevenção desse tipo de ataque. Muitos dizem “não clique” e há aqueles que trabalham duro para conscientizar os usuários de computadores e, principalmente, os que navegam pela Internet a evitarem tais tipos de ameaças.

 

De acordo com o relatório “Spam e Phishing em 2017” da Kaspersky Labs, a maior porcentagem de usuários afetados por Phishing do mundo aconteceu no Brasil no ano de 2017 (29,02%). Como de costume, os usuários maliciosos utilizaram sua criatividade para atraírem cliques em busca de informações e dados sigilosos de suas vítimas visando lucratividade financeira e a posse de informações confidenciais. A Kaspersky divulgou também, em 2017, que houveram mais de 246 milhões de tentativas de acesso a páginas de Phishing na Internet e que, em sua maioria, páginas relacionadas ao setor financeiro (bancos, comércio eletrônico, entre outros) receberam 53% das visitas.

 

Usuários maliciosos e engenheiros sociais estão focados na produção de conteúdo para “fisgarem” novas vítimas em 2018. Temas contemporâneos como criptomoedas e a copa do mundo FIFA já são um dos principais assuntos compartilhados do momento e atraem muitas visualizações em toda a Internet e, por consequência, cliques. Esse é o poder da geração de conteúdo para criação de Phishing.

 

Cliquei no Phishing e agora !?

Diversas pessoas clicam em links maliciosos diariamente e, muitas vezes, imperceptivelmente. Após o clique, você pode ser direcionado a uma falsa página de Internet (site) que contém pequenos programas maliciosos (malwares), auto executáveis que podem obter acesso remoto ao seu computador. Há casos em que a vítima é redirecionada a um falso site, muitas vezes parecidíssimo com o site original e fornece suas informações pessoais, sigilosas e bancárias que são rapidamente enviadas aos atacantes por meio de códigos (scripts) de redirecionamento.

A prevenção é simples – Seguem as dicas:

  1.    Não clique em links e não abra e-mails de origens suspeitas ou duvidosas. É necessário ter em mente que a maioria das empresas confiáveis não tratam de informações sensíveis através de e-mail (bancos, lojas virtuais, órgãos públicos e etc.) – Seja cauteloso.
  2.    Outra dica valiosa é o uso de softwares anti-phishing e anti-malware para proteger-se contra as ameaças carregadas de conteúdos maliciosos.
  3.    Compartilhe os assuntos relacionados ao Phishing para seus familiares, adote a conscientização em Segurança da Informação como estilo de vida.

Na dúvida, não clique.

Referências:

 

By Gustavo Marques

 

 


Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Search